Tipos de Artigos

Tipos de artigos considerados para publicação

1. ARTIGO ORIGINAL

Pesquisas originais e inéditas, desenvolvidas por meio da aplicação de métodos científicos de investigação com ênfase na abordagem histórica. A criatividade e o estilo dos autores no formato do manuscrito serão respeitados. O título, resumos e referências devem atender a normatização do template. No entanto, o conteúdo deve ser apresentado de forma a contemplar as seções de Introdução, Métodos, Resultados, Discussão, Conclusões ou Considerações finais. A introdução deve ser breve, evidenciar o tema de estudo, os principais conceitos envolvidos, o estado da arte, as lacunas do conhecimento, definir claramente o problema a ser estudado e sua implicação para o avanço na área de História da Enfermagem, Saúde e Educação.  Os métodos empregados deverão conter: Tipo do estudo – tipificação e abordagem com a referência sem a necessidade de explicar/justificá-lo. Ex: Histórico com abordagem na micro-história, história das mulheres, história do tempo presente, história cultural, história social… (com a referência sobescrita); Fontes/documentos históricos e critérios aplicados – Ex: atas, relatórios, fotografias, jornais, revistas depoimentos orais … e os critérios estabelecidos; Localização das fontes/documentos históricos – Ex: Acervos, Centro de Documentação, Hemeroteca, Biblioteca, arquivo pessoal; Delimitações (temporal; institucional/espacial e; geográfica) – Ex: dia(s), meses, anos, séculos; nome da instituição e se necessário um setor departamento e; rua, bairro, cidade, estado, pais e/ou continente; Organização e procedimento de análise das fontes/documentos históricos – Ex: a organização ocorreu por planilha, quadro, gráfico, banco de dados….e o procedimento de análise por matrizes de análise, triangulação das fontes, bem como referencial teórico com os respectivos conceitos/noções. Ex: Pierre Bourdieu (habitus, campo, espaço social…) ou referencial metodológico. Ex: Michell de Certeau (operação historiográfica) e; Aspectos éticos e legais para execução da pesquisa – Informar os aspectos éticos exigidos na condução da pesquisa de acordo com o tipo de fonte consultada, informar a aprovação da pesquisa em CEP sem identificação do protocolo no manuscrito. As pesquisas envolvendo seres humanos e acervos particulares devem apresentar aprovação de Comitê de Ética em Pesquisa no processo de submissão do manuscrito. Todos deverão ser descritos de forma objetiva e compreensiva. Os resultados devem ser descritos em sequência lógica, em quadros, tabelas, figuras (se houver). A discussão deve conter comparação dos resultados com a literatura, a interpretação dos autores e as implicações dos achados. Desdobramentos da discussão obrigatórios: limitações da pesquisa – tratam-se lacunas deixadas, chamando a atenção a novos estudos e as contribuições para História da Enfermagem, Saúde e Educação direcionadas aos preenchimentos de lacunas e/ou delimitações de estudos anteriores, fazendo com que o leitor identifique de forma clara e objetiva o avanço no campo proposto. Conclusões/Considerações finais deve conter as ideias principais apontadas na investigação sem a repetição do que já foi dito, sugerindo ou não novas janelas investigativas e articulação com o tempo presente como aspecto reflexivo. Cabe destacar que este item a escrita é livre de referências. Esta categoria limita-se a 20 páginas (incluindo as referências) e até oito (8) autores.

2. BIOGRAFIAS

O espaço desta categoria destina-se a publicação de histórias de vida de pessoas vivas ou não. Trata-se de estudos biográficos de personalidades da enfermagem e da saúde que se destacam nos aspectos ético, legal, profissional ou social e que tenham contribuições relevantes para a História da Enfermagem, Saúde e Educação. Diretrizes para construção das biografias: o nome do biografado deve estar contido no título; uma figura (imagem) do biografado deve ser enviada e seguir as normas de figuras e tabelas. O corpo do manuscrito deve apresentar os seguintes subtítulos na apresentação dos resultados: 1.Dados pessoais: filiação, data de nascimento e falecimento, quando for o caso, nacionalidade, naturalidade; 2.Dados sobre a trajetória da formação e instituição; 3.Cargos/funções ocupados; 4.Realizações mais importantes nas instituições; 5.Contexto geral ou específico das circunstâncias. Esta categoria limita-se a 05 páginas (incluindo as referências) e a três (3) autores.

3. DEBATE HISTORIOGRÁFICO

Compreende a avaliação crítica e síntese da literatura sobre temas a serem abordados com foco na História da Enfermagem, Saúde e Educação. O título, resumos e referências seguem as diretrizes estruturais do artigo original. O conteúdo deve ser apresentado de forma a contemplar as seções de Introdução, Métodos, Resultados, Discussão, Conclusões ou Considerações finais. A introdução deve apresentar claramente o problema a ser estudado e a importância da pesquisa através da apresentação do “estado da arte” sobre o tema e as lacunas do conhecimento acerca deste. Na seção Métodos deve ser incluída as etapas para se estabelecer o debate historiográfico, a saber: Delimitação do tema no debate. Ex: história das mulheres, história do tempo presente, história cultural, história social… (com a referência sobrescrita) e sua respectiva delimitação/ênfase. Ex: enfermeiras da II Guerra Mundial, ritos de formatura, cuidados à crianças, enfermeiras negras; Literaturas consultadas – Ex: monografias, artigos, dissertações, teses e livros e os critérios estabelecidos para inclusão/exclusão; Localização da literatura: Acervos, Centro de Documentação, Hemeroteca, Biblioteca, arquivo pessoal; Delimitações (temporal; institucional/espacial e geográfica) – Ex: dia(s), meses, anos, séculos; nome da instituição e se necessário um setor departamento, e; rua, bairro, cidade, estado, pais e/ou continente; Organização/tratamento das fontes e procedimento de análise das literaturas – descrição da forma como os dados foram tratados para gerar a análise e o próprio procedimento de análise em si. Ex: a organização ocorreu por planilha, quadro, gráfico, banco de dados… e o procedimento de análise por matrizes de análise, triangulação… Os resultados devem ser descritos em sequência lógica. A discussão deve conter comparação dos resultados entre as literaturas consultadas, a interpretação dos autores e as implicações dos achados, caracterizando o debate histórico do tema proposto. Desdobramentos da discussão obrigatórios: limitações da pesquisa – trata-se de evidenciar as lacunas deixadas, chamando a atenção a novos estudos e as contribuições para História da Enfermagem, Saúde e Educação direcionadas aos preenchimentos de novas lacunas e/ou delimitações de estudos anteriores, fazendo com que o leitor identifique de forma clara e objetiva o avanço no campo proposto. Conclusões/Considerações finais. Esta deve conter as ideias principais apontadas na investigação sem a repetição do que já foi dito, sugerindo ou não a buscar outros documentos históricos/fontes para novas versões e intepretações. Esta categoria limita-se a 15 páginas (incluindo as referências) e a seis (6) autores.

4. ENSAIO ANALÍTICO

Trata-se de experimentações nas aplicações de instrumentos de pesquisas/matrizes de análise que visem ensaiar novos olhares analíticos sobre as fontes/documentos históricos para o campo da história com contribuições com foco na História da Enfermagem, Saúde e Educação. O título, resumos e referências seguem as diretrizes estruturais do artigo original. O conteúdo deve ser apresentado de forma a contemplar as seções de Introdução, Métodos, Resultados, Discussão, Conclusões ou Considerações finais. A introdução deve ser breve, evidenciar a experimentação do estudo, os principais conceitos envolvidos, o estado da arte, as lacunas do conhecimento, definir claramente o problema a ser estudado e sua implicação para o avanço na área de História da Enfermagem, Saúde e Educação. Os métodos empregados deverão conter: Síntese da experiência – como ela ocorreu com o respectivo referencial. Instrumento/matriz de análise – descrevê-la, bem como ocorre o seu preenchimento. Fontes/documentos históricos utilizados na experimentação e critérios aplicados – Ex: atas, relatórios, fotografias, jornais, revistas depoimentos orais além dos critérios estabelecidos para inclusão/exclusão das fontes; Localização das fontes/documentos históricos – Ex: Acervos, Centro de Documentação, Hemeroteca, Biblioteca, arquivo pessoal; Organização e procedimento de análise – descrição da forma como os dados foram tratados para gerar a análise e o próprio procedimento de análise em si. Ex: a organização ocorreu por planilha, quadro, gráfico, banco de dados e o procedimento a ser adotado com o instrumento/matriz de análise, e; Aspectos éticos e legais da experiência – Informar os aspectos éticos exigidos na condução da pesquisa de acordo com o tipo de fonte consultada, informar a aprovação da pesquisa em CEP sem identificação do protocolo no manuscrito. As pesquisas envolvendo seres humanos e acervos particulares devem apresentar aprovação de Comitê de Ética em Pesquisa no processo de submissão do manuscrito. Todos deverão ser descritos de forma objetiva e compreensiva. Os resultados devem ser descritos em sequência lógica, em quadros, tabelas, fluxos, figuras oriundas da experiência (se houver). O texto deve ser complementar e não repetir o conteúdo contido nos mesmos. A discussão deve conter comparação dos resultados com outros instrumentos/matrizes de análise em literatura, a interpretação dos autores e as implicações dos achados. Desdobramentos da discussão, itens obrigatórios: limitações da pesquisa – tratam-se lacunas deixadas, chamando a atenção a novos estudos e as contribuições para História da Enfermagem, Saúde e Educação direcionadas aos preenchimentos de lacunas e/ou delimitações de estudos anteriores, fazendo com que o leitor identifique de forma clara e objetiva o avanço no campo proposto. Conclusões/Considerações finais. Esta deve conter as ideias principais apontadas na investigação sem a repetição do que já foi dito, sugerindo ou não novas experiências como aspecto reflexivo. Cabe destacar que nesta seção a escrita pode ser livre de referências, entretanto ao apresentá-la limita-se a dez (10) referências. Esta categoria limita-se a 15 páginas (incluindo referências, se houver) e a dois (2) autores.

5. ENSAIO HISTÓRICO REFLEXIVO

Esta categoria destina-se aos ensaios históricos reflexivos que visem contribuir para História da Enfermagem, Saúde e Educação. O título, resumo e as referências seguem as diretrizes do artigo original. O conteúdo deverá conter: 1) Contexto histórico com delimitação temática, temporal, geográfica justificadas; 2) Reflexão – destina-se a temática com os argumentos para serem desdobrados na discussão; 3) Discussão – apresentar elementos argumentativos que visem avançar em outros estudos, desde que seja de interesse para o escopo do periódico e; 4) Considerações finais. Esta categoria limita-se a 15 páginas (incluindo as referências), 15 referências e a seis (6) autores.

6. FONTES/DOCUMENTOS HISTÓRICOS

O espaço para publicação de fontes/documentos históricos – unitário ou em conjunto/coleção. Para tanto, o entendimento é que trata-se de massa documental a ser analisada nas investigações com contribuições para na área de História da Enfermagem, Saúde e Educação. Diretrizes para apresentação das fontes/documentos: o manuscrito deve apresentar os subitens: 1) Título da fonte/documento histórico: deve ser unitário ou em conjunto/coleção, neste caso adotar o mesmo nome. 2) Apresentação: sugerimos que seja uma apresentação geral da fonte/documento histórico com os seguintes dados: nome do documento, tipo (texto, fotografia, recorte de jornal, ata, entrevistas…), datação, localização do documento (nome do acervo – institucional ou pessoal), autoria ou créditos, quantidade (páginas/laudas, fotografia, objeto…), dimensões da fonte, condição do documento (ex: páginas amareladas, com ou sem rasgos, colorido, características em geral); 3) Imagem da Fonte/documento histórico – inserir figura do documento ou parte mais interessante que será abordada com ênfase no conteúdo, quando for cabível. Recomenda-se apresentar no máximo 2 imagens que se articule com o conteúdo. 4) Descrição da fonte/documento histórico: abordar do que trata a fonte, o assunto/tema; 5) Impacto/efeito da fonte/documento histórico para época de sua datação: aqui articule outros documentos e/ou literatura que possam evidenciar para o leitor a sua relevância. Conclusão: apresente a sua opinião/comentário sobre o documento para área de História da Enfermagem, Saúde e Educação. Esta categoria limita-se a 15 páginas (incluindo referências) e a três (3) autores.

7. RESENHA

Espaço que visa despertar o leitor para uma determinada obra, por meio de uma análise crítica, do conteúdo apresentado. As resenhas devem ser feitas de obras com até 5 anos de publicação. Diretrizes para construção da resenha: Os seguintes itens devem ser apresentados no corpo da resenha: 1.Título e dados bibliográficos da obra; 2.Descrição da obra em termos de estrutura, organização; expertise dos autores, numero de páginas, figuras, etc; 3.Apresentação do autor(es) resenhado(s), suas obras, atuações políticas, sociais, culturais, institucionais; 4.Apresentação da obra descrevendo seu tema central e contexto; 5.Parecer do resenhista apresentando seus comentários argumentativos e/ou comparações, com a(s) respectiva(s) referência(s); 6.Recomendação do resenhista acerca do público-alvo a que se destinaria a obra, utilizando argumentos sociais, culturais, pedagógicos, categorias profissionais. Esta categoria limita-se a quatro (4) páginas e a dois (2) autores. Cabe destacar que nesta seção a escrita pode ser livre de referências, entretanto ao apresentá-la limita-se a cinco (5) referências.

8. IN MEMORIAM

Esta categoria destina ao comunicado sobre o falecimento de uma personalidade da enfermagem ou da saúde que tenha contribuído para na área de História da Enfermagem, Saúde e Educação no sentido de socializar com a comunidade acadêmica o rito de passagem. Diretrizes para construção da categoria In Memoriam: o nome da personalidade falecida deve estar contido no título; uma figura (imagem) deve ser enviada e seguir as normas de figuras e tabelas; dever ser apresentado: dados pessoais: filiação, data de nascimento e falecimento, nacionalidade, naturalidade; dados sobre a trajetória da formação e instituição(ões) em que atuou; além de cargos/funções ocupados. Esta categoria limita-se a 01 página (manuscrito completo) e dois (2) autores.

9. RELATO DE EXPERIÊNCIA

Trata-se de relatos ocorridos nos bastidores do desenvolvimento da investigação com foco na História da Enfermagem, Saúde e Educação. O conteúdo deve ser apresentado de forma a contemplar as seções de: Introdução, Relato da experiência, Resultados, Discussão, Considerações finais. A introdução deve ser breve, evidenciar a ocorrência experimentada e definir claramente a situação. Relato da experiência – descrever a experiência vivenciada de forma lógica, coerente, concisa e coesa. Locais e nomes dos envolvidos deverão ser preservados, exceto nos casos de autorização apresentada a este periódico. Resultado(s) – os autores deverão, mediante ao relato, apresentar o seu desfecho. Caberá apresentação de quadros, tabelas, fluxos e/ou figuras oriundos da experiência. Estas devem ser seguidas as normas deste periódico. A discussão deverá trazer, preferencialmente, outros relatos de experiências ou similares passíveis de comparação no sentido de chamar a atenção dos pesquisadores sobre armadilhas metodológicas, uso e aplicação de instrumentos de pesquisa, aspectos da etiqueta sociocultural na prática da pesquisa em história, aplicações equivocadas no emprego dos aspectos éticos e legais em torno da investigação, dentre outros. Também se destina a relatos bem-sucedidos no caminhar da investigação nesta vertente de entendimento. Ademais, incluir neste subtítulo as limitações da experiência e as contribuições para História da Enfermagem, Saúde e Educação. As Considerações finais devem conter as ideias principais apontadas no relato de experiência, sugerindo dicas diretas e objetivas a serem aplicadas em outras pesquisas. Cabe destacar que nesse espaço a escrita é livre de referências. Esta categoria limita-se a 15 páginas (manuscrito completo) e até 6 autores.

10. CARTA AO EDITOR

Esta categoria destina-se a correspondência dirigida ao editor sobre manuscrito publicado na Revista. Para esta categoria, não é necessário resumo e nem estruturação em tópicos de introdução, métodos etc. As cartas devem ter ênfase ao que se deseja questionar e discutir de forma coesa e clara de artigos, exclusivamente publicados na HERE Limita-se a 02 páginas (manuscrito completo).

11. RESPOSTA DO AUTOR

Categoria que permite aos autores responderem a questionamentos da carta ao editor. Devem ser objetivamente aos itens discutidos. As respostas devem ser limitadas a 300 palavras e podendo ser incluído até 3 referências. A autoria da resposta é exclusivamente para o autor principal.

12. EDITORIAL

Texto sobre assunto de interesse para o momento histórico ou a produção do conhecimento com repercussão para História da Enfermagem, Saúde e Educação. Pode conter até duas (2) páginas, incluindo até quatro referências, quando houver.

Tabela 1. Resumo dos limites de acordo com a categoria do manuscrito

Categorias dos manuscritos

Limite máximo de:

Páginas

Autores

Referências

1. Artigo original

20

8

20

2. Biografia

5

3

10

3. Debate historiográfico

15

6

15

4. Ensaio analítico

15

2

10

5. Ensaio histórico-reflexivo

15

6

15

6. Fontes/documentos históricos

15

3

20

7. Relato de experiência

15

6

8. Resenha

4

2

5*

9. In memoriam

1

2

10. Carta ao editor

2

11. Editorial

2

4*

Legenda: *Referências são facultativas.

Translate »